Brasil está entre 30 países que usa energia solar no mundo

Brasil está entre os 30 países que mais implantam energia solar no mundo

“O mercado continua em expansão com um ritmo de crescimento exponencial; novos perfis de clientes residenciais querem obter os benefícios da própria instalação solar; grandes grupos de consumidores comerciais estão analisando seriamente a adesão; a indústria e o agronegócio aumentaram seu interesse em energia limpa e sustentável”, comenta Anaibel.



Brasil está entre os 30 países no Mundo

O crescimento no mercado brasileiro continua em expansão com um ritmo de crescimento exponencial; novos perfis de clientes residenciais querem obter os benefícios da própria instalação solar; grandes grupos de consumidores comerciais estão analisando seriamente a adesão; a indústria e o agronegócio aumentaram seu interesse em energia limpa e sustentável”, comenta Anaibel.


Investimentos em energia solar

 

Segundo a ANEEL, até 2024, cerca de 1,2 milhão de geradores de energia solar ou mais deverão ser instalados em casas e empresas em todo o Brasil, representando 15% da matriz energética brasileira e até o ano 2030 o mercado de energia fotovoltaica deverá movimentar cerca de R$ 100 bilhões.

Para se ter uma ideia, a multinacional austríaca Fronius, vendeu no Brasil no ano passado foram mais de nove mil inversores. A empresa obteve crescimento de mais de 50%.

“O mercado continua em expansão com um ritmo de crescimento exponencial; novos perfis de clientes residenciais querem obter os benefícios da própria instalação solar; grandes grupos de consumidores comerciais estão analisando seriamente a adesão; a indústria e o agronegócio aumentaram seu interesse em energia limpa e sustentável”, comenta Anaibel.

A Agência Nacional de Energia

 Este ano concentra a maioria das entradas em operação das 67 usinas solares previstas pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel, para iniciar geração até 2021, resultado de leilões realizados nos anos de 2014 e 2015. Estima-se que em 2018, a produção de energia solar no Brasil dobre! A Aneel divulgou recentemente um relatório que mostra a previsão da entrada garantida com viabilidade alta de 28 usinas, totalizando 781 megawatts, e mais 35 usinas com viabilidade média, somando 231 megawatts de capacidade instalada.

A Agência Nacional de Energia Elétrica ainda pretende que em 2018, entrem em operação mais sete usinas hidrelétricas, com potência instalada de 3.097 MW, com contribuição de mais turbinas em Belo Monte (PA), e mais 1.569 MW em 2019. Ao todo, a energia solar deve acrescentar este ano ao sistema 1.012 MW, dobrando a capacidade de 1 mil MW atingida pelo Brasil no final de 2017. Para o ano que vem (2019), a previsão da Aneel é de entrada de mais 356 MW em energia solar. 

Setor de geração de energia solar deve ganhar incentivo

 

A energia solar cresce no Brasil em rápida velocidade. Ano passado, por exemplo, a energia solar fotovoltaica iniciou o ano com a geração de 60 megawatts (mW) na rede distribuída – isto é, em geradores pequenos e médios, como em casas, prédios e outros –  e 30 mW na centralizada, que representam as grandes usinas. E a expectativa da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) é finalizar o ano de 2018 com 150mW e 850mW operacionais, respectivamente.

Mas mesmo com este salto no crescimento, a Associação acredita que geração desta fonte de energia renovável  pode ser superior e atender melhor a matriz energética brasileira. O Brasil sofre um atraso de 15 anos em comparação a países em desenvolvimento como China, Índia e África do Sul, bem como nações desenvolvidas, como Alemanha, Japão, EUA, Reino Unido, França, Espanha, Itália, Canadá e Austrália. Estes países lançaram programas nacionais para o desenvolvimento deste tipo de energia.

Por isso, a Absolar desenvolve juntamente com o Ministério de Minas e Energia (MME) um programa que permitirá o crescimento da energia solar fotovoltaica no Brasil.

As discussões já iniciaram e estão em andamento. “As propostas têm sido bem recebidas e o MME tem contribuído para o aprimoramento das ideias e dos conceitos do documento”, explica o Presidente Executivo da Absolar, Rodrigo Lopes Sauaia.

A Associação propõe ações para o desenvolvimento do mercado  – segmentos de geração centralizada e geração distribuída –  e da cadeia produtiva do setor.

“Já realizamos reuniões de desdobramentos para desenvolver a proposta do programa a quatro mãos com o Ministério. Ainda temos a intenção de desenvolver engajamento junto aos parlamentares”, explica. Ainda não há uma data para a conclusão final do trabalho.

O objetivo é trabalhar três eixos estratégicos – a geração distribuída, a centralizada e a cadeia produtiva em geral. Uma das metas é  de ter 1 milhão de telhados solares fotovoltaicos em residências, comércios, indústrias, edifícios públicos e na zona rural.